n w

baner
Você está em:   Home História da Engenharia no Brasil

História da Engenharia no Brasil PDF Imprimir E-mail
QUI, 23 de Fevereiro de 2012 18:37

História da Engenharia no Brasil

A engenharia clássica foi responsável pelo aparecimento de armamentos, fortificações, estradas, pontes, canais, instrumentos, etc...

O ensino de Engenharia através dos tempos: 

Na antiguidade, no século XVIII, surgiram na França as primeiras escolas de engenharia. São elas: a École des Ponts et Chaussées (1747), a École de Mines (1783) e a École Polytechnique (1794), nesta aconteceu o casamento da Ciência com a Engenharia.


Implantação do ensino de Engenharia no Brasil

No final do século XVIII instalou-se no Brasil o curso de fortificações, artilharia, etc., na Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho. Logo depois surguiram a Academia Real Militar, em 1810, e a Academia Militar e de Marinha, em 1831, com o  curso de “engenheiro de pontes e calçadas”.

Logo depois se instalava no Rio de Janeiro a Escola Central, em 1858, destinada exclusivamente à formação de engenheiros, tendo inclusive um curso de Engenharia Civil. O Instituto Militar de Engenharia - IME, ligado ao Exército Brasileiro (Ministério da Defesa) foi criado em data não precisa no decorrer do século XVIII.

 A Escola Politécnica do Rio de Janeiro, criada em 1874, consolidou o ensino da Engenharia no nosso país. Esta foi considerada a sucessora da Escola Central.

Daí em diante foram surgindo diversas escolas como:


  • A Escola Nacional de Engenharia,  em 1937;
  • A Escola de Engenharia, do Rio de Janeiro, em 1965;
  • A Escola de Minas de Ouro Preto, em 1876,  no mesmo padrão da École de Mines de Paris e a École Normale Supérieure. Novos conceitos de ensino da engenharia com a introdução de práticas de laboratórios e viagens de estudos.
  • A Escola Politécnica de São Paulo - POLI, em 1893. tinha linha germânica e  valorizava o ensino prático.
  • A Escola de Engenharia de Pernambuco, em 1895: extinta em 1903, sendo substituída por outra instituição, atual Escola de Engenharia da Universidade Federal de Pernambuco;
  • A Escola de Engenharia Mackenzie, em 1896: ligada inicialmente à Universidade de New York e hoje vinculada à Universidade Presbiteriana Mackenzie;
  • A Escola de Engenharia de Porto Alegre, em 1896: em 1931 Universidade Técnica e hoje Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul;
  • A Escola Politécnica da Bahia, em 1897: Incorporada pela Universidade Federal da Bahia em 1946.
  • A Escola Politécnica de Pernambuco - POLI, em 1912: incorporada pela Universidade de Pernambuco em 1991.


Até 1946 existiam, no Brasil, um total de 15 instituições de ensino de engenharia. Na década de 60 houve um significativo crescimento do número de instituições. Em meados da década de 70 já contávamos com mais de 100 instituições de ensino superior com mais de 300 cursos de engenharia. Hoje, existem no Brasil, quase 200 instituições com mais de 600 cursos de engenharia. 

Atualmente o engenheiro tem formação abrangente, tanto sistêmica quanto analítica, fundamentada em sólidos conhecimentos das ciências básicas para a Engenharia, com atitude de sempre aprender. É preparado de maneira tal que assuma uma postura de bom relacionamento humano e de comunicação. São indispensáveis atitudes como: uma postura ética, comprometimento cultural e social com o Brasil.